(Resenha de 2020)

Como estamos no Agosto Lilás, mês da conscientização pelo fim da violência contra a mulher, decidi escolher um livro que tivesse a mulher como centro da narrativa. Optei, então, pelo livro 🐺Mulheres Que Correm Com Lobos🐺 da autora ainda viva Clarissa Pinkola Estés, poeta e psicanalista norte americana especialista em tratamentos pós traumáticos.
A versão em português desse livro pode ser facilmente encontrada online.🖱️


O livro se divide em 16 capítulos, além da introdução e notas finais, e cada capítulo apresenta uma lenda com um arquétipo feminino em cada uma delas. Depois de apresentar a lenda (algumas pesadas/traumáticas), Clarissa faz uma análise sobre o arquétipo feminino presente nessa lenda e e como esse arquétipo – ou a lenda inteira, vide Barba Azul – está tão presente na psique social que ronda a construção da mulher e seu papel social – ou a ausência dele.
Nesse livro, a autora transcorre pela psique da leitora como se soubesse exatamente tudo o que ela pensa e viveu/vive, e cá entre nós, vivemos coisas muito parecidas.
Li esse livro em 2016 e lembro que a cada vez que o abria era como se alguém estivesse falando comigo exatamente sobre questões que andavam na minha cabeça.
De todas as lendas, a que mais me impactou foi a do Barba Azul, principalmente a análise dos arquétipos que a Clarissa faz.
“Quantos Barba Azuis já não cruzaram meu caminho?” foi o que pensei. E perdi as contas.
Leitora, você também perderia.
Leitor, será que você é um Barba Azul e não sabe?
Lendas e contos de fadas não são tão resistentes ao tempo por acaso, eles se conectam com a sociedade de forma atemporal por diversas razões. Subestimar essas histórias é um erro e isso é algo que Clarissa, como phd em psicologia, faz muito bem.
Mulheres Que Correm Com Lobos é um livro que mistura literatura com autoconhecimento, que indico para todas as mulheres e também para os homens que tenham a mente aberta para enxergarem alguns arquétipos dos quais eles também fazem parte nessas histórias.

Resenha: 18/05/2020

2 Responses

  1. Pingback: Crônica: Sorrisos

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *